Meu Pai

Meu querido Pai Meu Deus
Meu Senhor… Meu Pai…
Filho Meu Criador…

 
Meu Pai…

Nome santo, entre todos o mais afável e que mais amor inspira.

Nome santo, porque encerra em si um mundo inteiro de afetos.

Nome santo, porque traduz o infinito e a eternidade das maravilhas de tua criação.

No cantar do poeta, tu abranges: “O céu e a terra… O invisível e o visível; no chão, o natural – nas alturas, o sobrenatural; a luz exterior e a luz interior… A natureza em que se toca; além, a graça que se almeja”.

Pai, porque infundiste em mim o díptico humano e divino, o quadro em que se sintetiza todo o anelo do fraco que se arrima no forte; todo o apelo da criatura ao Criador: aquela sofreguidão do espírito à beleza; aquele suspiro de alma pelo ideal; aquela transfiguração do ser em Deus Pai. A consciência, a paz da alma, quando te sou fiel; o remorso, quando transgrido a tua lei.

Senhor Deus, meu Pai! É por tua sabedoria que fui criado e é por tua providência que sou conduzido. Em tua bondade, desde a manhã, difunda em minha consciência a tua luz, para que eu seja sempre unido a ti e lealmente consagrado.

Pai, tem pena de mim, segundo a tua grande misericórdia. Fica comigo durante este dia e que a luz de tua graça não cesse jamais de me iluminar.

Pai, porque és a misericórdia, és o amor, és o perdão!

 

Padre Gregório Westrupp, scj

 

Scroll To Top